blog

  • Renata Santana

Elizabeth Elliot a missionária que serviu a tribo que matou seu marido

Elisabeth Elliot (nascida Howard) nasceu em 21 de dezembro de 1926 em Bruxelas, na Bélgica, onde seus pais serviram como missionários. Ela se mudou para os Estados Unidos ainda criança para estudar. Lá, bem jovem, ela fez uma profissão pessoal de fé para seguir a Cristo.



Elisabeth logo sentiu o chamado de Deus para ser missionária. Em 1944, com a intenção de se tornar uma tradutora da Bíblia, ela se matriculou no Wheaton College, onde conheceu Jim Elliot, que tinha um chamado semelhante para missões e com quem teve um longo romance.

Em Wheaton, a menina estudou grego clássico para capacitá-la a trabalhar na área de línguas não escritas durante seu futuro trabalho missionário.


Após a formatura, Elisabeth treinou como tradutora da Bíblia e, em 1952, ela e Jim foram para o Equador para trabalhar como missionários.


Em 1953, Jim e Elisabeth se casaram em Quito, Equador, e continuaram seu trabalho naquele país. Dois anos depois, eles tiveram sua filha Valerie.


Morte do marido em missão


Jim queria entrar no território de uma tribo não alcançada e então escolheu o Aucas, um grupo feroz que ninguém tinha conseguido encontrar sem ser morto.


Depois de descobrir a localização da tribo, Jim e quatro outros missionários entraram no território Auca. Após um contato amigável com três membros da tribo, eles foram mortos a lanças. (Essa história é contada no livro e no filme ‘Fim da Lança’.)


Os Aucas (hoje chamados de Waodani) também tinham uma reputação terrível de violência. (Estudos antropológicos revelaram que eles tiveram as taxas mais altas de homicídio já registradas em uma sociedade humana.)


O assassinato desses cinco homens teve um enorme impacto nos Estados Unidos e no mundo. A imprensa se concentrou não apenas nos eventos e na tribo "selvagem" envolvida, mas também nos sobreviventes, principalmente Elisabeth e a bebê Valerie.


Elisabeth partiu para os Estados Unidos com a filha e lá, em questão de semanas, escreveu o livro Through Gates of Splendor. Ele ficou em 9º lugar na lista do Christianity Today dos 50 melhores livros que formaram os evangélicos.

O livro tornou-se um best-seller não apenas por causa dos acontecimentos dramáticos que relatou, mas porque Elisabeth, dotada tanto de habilidade para escrever quanto de visão profunda, havia produzido um livro extraordinariamente poderoso.


Chamado para servir


Sentindo-se chamada por Deus para testemunhar aos que mataram seu marido, Elisabeth voltou ao Equador com sua filha. Trabalhando com uma tribo adjacente, ela orou por uma oportunidade de fazer contato com os Waodani.

Finalmente, uma mulher Waodani apareceu, permitindo que Elisabeth começasse a aprender a língua e, depois de ter sido prometida segurança, Elisabeth, sua filha de três anos e Rachel Saint (irmã do piloto assassinado) foram morar com os Waodani. O mundo prendeu a respiração. A ideia de que Elisabeth, como uma mãe solteira, estava levando sua filha para viver com a tribo violenta que matou seu marido era impressionante. Não menos chocante na década de 1950 foi o fato de ter sido uma mulher tomando a iniciativa de estender a mão para uma tribo assassina.

Servindo como missionária à tribo que matou seu marido, ela ministrou a eles e permaneceu em seu assentamento, no sopé dos Andes, subsistindo de membros de macacos grelhados e outros alimentos locais e vivendo em cabanas varridas pela chuva.

Enquanto estava lá, as pessoas deram a Elisabeth o nome tribal Gikari, que significa "Pica-pau".


Durante seu tempo no Equador, Elisabeth escreveu Through Gates of Splendor (a história dos cinco homens, incluindo seu marido, que foram mortos pelos Auca), Shadow of the Todighty (um livro de memórias sobre a vida e obra de seu marido Jim), e The Savage, My Kinsmen (sobre sua vida entre os Aucas). Quando ela retornou aos Estados Unidos em 1963, começou uma carreira como escritora e palestrante. Ao todo, Elisabeth escreveu 24 livros.


Amado com amor eterno


Ela ensinou não apenas sobre o trabalho missionário, mas também sobre muitos aspectos da vida cristã. Como a década de 1960 trouxe enormes mudanças culturais, ela se viu comentando sobre o papel da mulher, onde essa mulher, a mais corajosa, se posicionou contra o feminismo.

Por 13 anos, Elisabeth apresentou um programa de rádio de 12 minutos voltado para mulheres chamado Gateway to Joy. Ela abria cada episódio dizendo: “Você é amado com um amor eterno, é o que a Bíblia diz e por baixo estão os braços eternos. Esta é sua amiga, Elisabeth Elliot. . .”.

Em 1969, Elisabeth casou-se com Addison Leitch, professor de teologia no Seminário Gordon Conwell em Massachusetts. Ele morreu em 1973. Após a morte de Leitch, Elisabeth teve dois inquilinos que alugaram um quarto em sua casa: um deles se casou com sua filha, o outro, Lars Gren, se casou com ela.

A vida de Elisabeth foi retratada em uma peça (Ponte de Sangue: Jim Elliot leva Cristo ao Aucas), um musical (Amor acima de tudo) e um filme (Fim da Lança).

Ela parou de dar palestras em 2004 quando sua saúde piorou e ela começou a sofrer de demência. Seu marido, Lars Gren, disse que Elisabeth lidou com a demência da mesma forma que ela lidou com a morte de seus maridos. “Ela aceitou essas coisas, [sabendo] que não eram nenhuma surpresa para Deus. Foi algo que ela preferia não ter experimentado, mas ela o recebeu.”

Elisabeth Elliot morreu em 15 de junho de 2015, em sua casa em Gloucester, Massachusetts, aos 88 anos.

Fonte e foto: Portal Guiame

0 visualização